Home
Portal Figueiro
Aldeia
Santa Eufêmia
Patrimonio
A Visitar
Ultimos Moinhos
Figuras
Album de Fotos
Multimedia
Noticias de Figueiró
Noticias do Concelho
Comunidades
Obras
Junta de Freguesia
Como Chegar
Hotelaria
Links
Arquivo
Contactos

 

 

Igreja Capela Museus Alminhas

Igreja Paroquial

                                                         

      Primitivamente era uma modesta capela, que pertencia aos frades da Ordem de Malta ou do Hospital (Hospitalários), curiosamente, ainda hoje se chama ao bairro onde se encontra edificada, Bairro do Hospital.
      Como a aldeia se desenvolveu no sentido que ainda hoje se pode observar, houve necessidade de deslocar a Igreja do lugar primitivo, que era ao cimo da ruela a que os antigos chamavam Quelha das Cruzes.
      A data provável da sua primeira ampliação seria 1810, data que se encontra gravada no seu frontispício.
Em 1817, houve necessidade de uma nova ampliação, sendo construída a actual capela-mor e o coreto que se encontra por cima das sacristias.
      Com a comparticipação do estado, a igreja seria restaurada em 1940, tendo sido  introduzidas alterações de vulto, tornando-se numa das mais valiosas do concelho. O altar-mor e os três restantes, em talha dourada, estilo renascença, datam dessa restauração. (...)De realçar as imagens muito perfeitas do Senhor dos Passos e a Senhora da Soledade, junto ao altar-mor.

                

      (...)
      Mais tarde, foi substituido o pavimento de madeira e o telhado, foram colocados azulejos e retirou-se a grade que separava as duas principais áreas.(...)
      No pavimento de pedra, existiam duas sepulturas com epitáfio, uma de "Pedro Homem"  que faleceu a 6 de Marco de 1638 e de sua mulher "Maria Roiz" "q Deus levou em o mesmo dia"; a outra de "Pedro Homem  o Moco" e filho único deste casal e que dizia o seguinte:"Aqui jas Pedro Homem o Moco q faleceo a 31 de dezembro do anno de 1639 annos".

      Porém, lamentavelmente e sem motivo aparente, estas lápides desapareceram, sem deixar rasto!... Perdeu-se irremediavelmente parte da história e património de Figueiró, o que não é caso único.
      Para quem se recorda, entre o Cimo do Lugar e o Hospital, havia duas pedras gravadas com a cruz de oito pontas, ou cruz da Ordem de Malta, que desapareceram, sem se ter o cuidado de as preservar.                                                                

      Com a construção dos Museus e o trabalho desenvolvido pelo Sr. José Maria Mendes, muita coisa se tem salvo e preservado para podermos admirar por muitos anos a história, cultura e tradições desta bonita aldeia.

 

Site optimizado para Internet Explorer 5+

Copyright © 2005 [Jose Ferreira]. All rights reserved. webmaster@figueirodaserra.com